Joana, podíamos fazer um debate?

Depois de sentarmos nos lugares, de nos acalmarmos, de regressar da ida à casa-de-banho (“joana, ainda dá para ir num instante?) e de termos recapitulado a última aula (quem se lembra e quer partilhar o que fizemos no último dia?) a L. pede a palavra e diz:

– joana, podíamos fazer um debate!

ah sim?, perguntei. então e como é que é isso do debate?

– então, umas pessoas vão dizer se concordam, as outras dizem ou defendem que não concordam e depois falamos. cada um defende um lado.

no quadro, o tópico da última aula: “fazer muitas perguntas: é bom fazer? ou é mau fazer? e as justificações para defender o “é bom”  e o “é mau”. e eu perguntei à L. se ela achava que podíamos fazer o debate com aquilo que temos no quadro? “sim”, foi a resposta.

então, disse eu, vamos organizar-nos para o debate. as pessoas têm que definir se defendem “é bom fazer muitas perguntas” ou “é mau fazer muitas perguntas”. e até temos ali algumas razões. vamos procurar exemplos para essas razões?

IMG_7436.JPG

e surgiram alguns ares de estranheza. qual é a diferença entre razões e exemplos?

o M. deu o pontapé de saída nesta dúvida. “joana, não estou a perceber bem o que é um exemplo disso que já temos aí”. perguntei se alguém tinha alguma sugestão, se podia ajudar a encontrar um exemplo. o C. juntou-se ao M. na dúvida e a aula continuou neste sentido: apurar o que é uma razão e o que é um exemplo – e de que forma é que o exemplo ajuda as nossas razões a provar a sua força.

e ficaram alguns TPP (trabalhos para pensar) para a próxima aula.

no final, o C. perguntou-me se podia apagar o quadro. ao fazer isto, perguntou-me:

– joana, uma pessoa pode ter só um nome?

– só um nome? como assim?

– achas que há uma pessoa que se chama só Fábio?

– C, viste o que aconteceu?

e ele ficou a olhar para mim, como se estivesse a pensar “para dentro”.

– dei um exemplo?, perguntou ele.

sim. agora só tens que pensar na razão que queres defender e encontrar exemplos, como encontraste para essa pergunta que fizeste. já viste que os exemplos dão muito jeito, C.?

e ele sorriu.

– até para a semana, joana, e colocou a mochila às costas e saiu pelo corredor.

 

Cedido por Joana Rita Sousa, autora do blogue JoanaRSSousa    Facebook filocriatiVIDAde | filosofia e criatividade

 

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

CONTATE-NOS

Envie-nos uma mensagem, seremos breves na resposta.

Enviando

©2017 ClickProfessor - Comunidade e Diretório Nacional de Professores

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account